Região

100 kg de peixes contaminados usados em pesquisa são furtados da UNESP de Ilha Solteira

09 Jan 2019
87

'Experimento comprometido', diz pesquisador após furto de peixes contaminados usados em pesquisa

Objetivo do trabalho era conhecer a biologia dos animais que são ameaçados de extinção. Polícia procura por suspeitos de furtarem 100 kg de peixes da Unesp de Ilha Solteira (SP).

Cerca de quatro anos de estudos foram comprometidos depois que 50 peixes contaminados utilizados e usados em pesquisas foram furtados da Unesp de Ilha Solteira (SP), na madrugada desta terça-feira (8).

Segundo o chefe do Departamento de Biologia e Zootecnia da Universidade, Alan Peres Ferraz de Melo, o objetivo do trabalho era conhecer a biologia dos peixes que são ameaçados de extinção.

“É um trabalho de longo prazo. Então esse experimento foi totalmente comprometido, pois você não tem a mesma estatística, o mesmo número de animais”, explica Alan.

Ainda de acordo com o pesquisador, o furto dos peixes, que contabiliza cerca de 100 quilos, vai além do patrimônio. “O grande problema quando assim acontece é que o principal prejuízo é o intelectual”, afirma.

Furto

Segundo a universidade, os criminosos entraram na estufa após rasgar uma tela lateral. Os animais faziam parte de um projeto de pesquisa internacional e estavam contaminados com substância tóxicas.

A polícia e os pesquisadores alertam os moradores da região de Ilha Solteira para não comprarem peixes da espécie piracanjuba de procedência duvidosa, já que podem ser os animais contaminados.

Um boletim de ocorrência foi registrado e o caso será investigado pela Polícia Civil. Nenhum suspeito foi detido. Denúncias podem ser feitas de modo anônimo pelo número 197.


Secretaria da Saúde realiza campanha Janeiro Branco
Prefeitura adquire novos veículos e renova a frota municipal